Texto da autora Miriam Stumpf.

1. Saintpaulia ionantha

Violeta africana

Família Gesneriaceae, originária da África

Descrição: Planta herbácea perene de caules suculentos, folhas arredondadas pilosas que formam roseta sobre caule curto. As flores são simples ou dobradas, solitárias ou em racemo aberto, de aparência delicada em diversas cores, brancas, rosas, violeta, carmim, bicolores.

 

A violeta faz parte de um grupo de plantas que nos toca de perto emocionalmente. São vendidas em todos os lugares, da floricultura aos supermercados e é difícil passar por uma coleção exposta sem levar um vasinho para casa. Presentear amigas, quando vamos visitar ou colocar em cestas de café da manhã, em escritórios, a violeta presta-se para inúmeros mimos, refletindo o carinho e amizade. Cuidar da planta depois vem nos trazer muita alegria, quando sabemos como fazê-lo. Mas quem desconhece o manejo caseiro desta herbácea, pode ficar frustrado e triste quando ela fenece. Então, ganhamos ou compramos uma violeta, como cultivá-la?

Luz: esta planta necessita de muita luminosidade para manter-se saudável e florida a maior parte do ano, então seu lugar de cultivo deve ser receber muita luz natural, com até 3 horas de sol direto, como a exposição com orientação Norte. Por que não a de Oeste? Porque o sol da tarde é muito quente, podendo queimar as folhas. A não ser que haja cortinas leves, filtrando este sol, devemos evitar este tipo de exposição.

Nutrientes: o substrato de cultivo que vem com a planta é feito de muito material inerte, como fibra de coco, palha de arroz queimada e não têm nutrientes, servindo, na produção da muda, para o desenvolvimento das raízes, adubadas com os sais em forma líquida. O feliz proprietário da violeta tem a missão de alimentá-la também, além de fornecer água. Pode trocar de substrato, colocando num vaso maior e preparando a mistura de composto vegetal ou húmus, areia e adubo animal curtido em proporção de 3:1:1, podendo substituir a areia por pó de coco. Pode também, manter o substrato original por um tempo e colocar na água de rega os nutrientes dissolvidos. Adubo do tipo NPK formulação 4-14-8, uma colher de chá num copo de água, misturar bem e regar o substrato, cuidando para não tocar nas folhas. Um dia antes, umedecer este substrato, para que o adubo ao ser colocado penetre em direção às raízes e não fique na superfície. Vê-se muitas vezes na superfície do solo dos vasos um pó esbranquiçado, são os sais que não penetraram o substrato e aumentando sua concentração assim, poderão ficar em níveis tóxicos, acabando por queimar a planta.

Regas: experimentar com os dedos para sentir a umidade do solo antes de regar sua violeta. Às inúmeras perguntas de qual a freqüência e quantidade, devemos usar o bom senso. Se o substrato está úmido, não regar. A quantidade de água depende do tamanho da planta e do vaso. Colocar água, deixar escorrer o excesso e pronto. Só usar prato embaixo do vaso para não molhar ou sujar o móvel onde a planta está. Excesso de água não é recomendável para a violeta africana.

Propagação: esta planta é perene e emite muitos filhotes, enchendo o vaso. Na época em que ficar sem flores, pode ser feita a separação destes da planta mãe. Também pode ser feita a estaquia de folhas adultas em substrato inerte como areia, casca de arroz carbonizada ou perlita. Retirar com pecíolo e enterrar na areia até o início da folha, nascerá uma muda neste lugar, transplantar para vaso com substrato preparado sem eliminar esta folha básica.

Este texto não pode ser copiado sem permissão da autora.